Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bazar Daqui

Este é o nosso bazar, a montra do “nosso” Portugal. A ideia é partilhar as nossas experiências nessa busca pelo ideal do “carpe diem” ao invés de ficar em casa a carpir.

Bazar Daqui

Este é o nosso bazar, a montra do “nosso” Portugal. A ideia é partilhar as nossas experiências nessa busca pelo ideal do “carpe diem” ao invés de ficar em casa a carpir.

São Miguel, Açores (14 a 19 de Julho de 2016)

Pelo M.
 
Obrigado, C., por me teres levado aos Açores!
 
Ok, não visitámos as ilhas todas, fomos só a S. Miguel, mas pelo que toda a gente diz é uma ilha que reúne o que há de melhor no arquipélago. Por isso, acho que ficámos com uma boa ideia do que são os Açores.
 
Desde há alguns anos que tinha a ideia que tínhamos em Portugal uma maravilha da natureza e que não estava a aproveitar essa sorte. Se já tinha muita vontade de ir lá, fiquei com mais ainda desde que tu foste, em Setembro de 2015, e eu fiquei por cá. Só tive direito a ver as fotografias e a ouvir as vossas descrições sempre entusiasmadas. Estava mesmo com muita pena de não ter ido também.
 
Mas, finalmente, e depois de muitos "isto faz-me lembrar os Açores", tiveste pena de mim e decidiste ir novamente comigo. "Levar-me aos Açores", como tu dizes. E só posso agradecer-te. 
 
Ir aos Açores foi...
 
...estar pela primeira vez numa ilha. Foi engraçado subir a um ponto mais alto e ver tanta água dos dois lados daquela língua de terra. Aí é que percebemos como a ilha é pequena, apesar de ser a maior do arquipélago. É por isso que me impressiona pensar que aquelas pessoas passam as suas vidas num bocadinho de terra perdido no imensidão do Oceano Atlântico. 
 

DSC08306X

 
... perceber que os Açoreanos são mesmo muito simpáticos, como tinhas dito. Simpáticos e descontraídos. Depressa começam a falar connosco e contam as histórias da avó que "falava bem" e não comia as palavras como os açoreanos fazem. Ou de quando vieram ao continente e como é confuso conduzir em Lisboa. Pareceu-me sempre uma simpatia genuína e não apenas conversa para o turista.
 
... poder desfrutar de uma natureza muito bem preservada.

 

...comer muito, muito bem. Foi o Cozido das Furnas, logo a abrir. Um Absurdo e o polvo, no Cais 21. As experiências no Alabote, na Ribeira Grande. E, para finalizar em toda a glória, o Bife à Alcides, que tem a fama de ser "o melhor bife dos Açores". E pensar que, por causa de uma indisposição alimentar no dia anterior, estive na iminência de não provar este bife, que foi, sem dúvida, o melhor que comi na minha vida. Ainda bem que conseguimos ir lá mesmo mesmo antes de virmos embora.

 
 

 

... ficar maravilhado com as hortênsias à beira das estradas. Autênticos corredores com paredes de flores. Lembro-me, sobretudo, da estrada que fizemos para de Vila Franca do Campo até às Furnas e da estrada a descer para as Sete Cidades. São tantas e tão grandes. Mais altas do que nós. E cheias de cor, no fundo verde dos prados. É espetacular.

 

 
...perceber que há noticiários na rádio só com notícias sobre os Açores. Quase invariavelmente com a temática da agricultura. Faz sentido.
 
... fazer mais de 40Km de trilhos, para que conhecesses a ilha de uma forma diferente. Começámos com um trilho na Lagoa das furnas, para digerir o Cozido, cerca de 10Km entre a chuva e o cheiro a enxofre das fumarolas. No segundo dia foi o trilho da Mata do Canário e Sete Cidades, mais 12km, em que contornámos a Lagoa Azul pela cumeada, em que desfrutámos uma vista espetacular enquanto o tempo deixou. Depois foi um trilho até à Lagoa do Fogo, mais 12,5Km, muitos dos quais a acompanhar a levada e a olhar para o céu, com medo de sermos atacados pelas gaivotas. E, ainda nesse dia, fizemos mais 6km no trilho do Chá da Gorreana, a subir pela plantação até à Casa do Mirante, aproveitar a bela vista que aí se tem e depois descer novamente pela plantação, acompanhando um rebanho que aí pastava.

 

 

...ter tantos miradouros espetaculares, com paisagens de cortar a respiração: O Santuário de Nossa Senhora da Graça, com vista sobre Vila Franca do Campo e seu Ilhéu; o miradouro do Lombo dos Milhos com vista sobre as Furnas; o da Barrosa, sobre a Lagoa do Fogo; o do Pico do Carvão, o de Santa Iria, a Vista do Rei, o do Mirante, sobre a plantação de Chá da Gorreana. São imensos. Mas o ex-líbris é mesmo o miradouro do Canário (ou da Boca do Inferno). WOW é mesmo incrível. O serpentear do caminho que nos leva até lá e a panorâmica que se tem sobre as lagoas das Sete cidades e de Santiago, com a cumeada por trás e o oceano a espreitar lá ao fundo, fazem dele um lugar especial e muito fotogénico.
 

 

... ir às lagoas. À das Furnas, à do Congro, à do Canário, às das sete Cidades, à do Fogo e à de S. Brás. Todas muito bonitas, mas muito diferentes umas das outras. Há pequenas e grandes. Há amarelas, verdes e azuis. Há as que são mesmo ao pé da estrada e as que temos que nos perder nas matas para as encontrarmos. De todas, a que mais gostei foi a do Congro. Um lago verde, pleno de sossego, perdido nas profundezas de uma antiga cratera e envolto densamente pela natureza. O sítio perfeito para quem gosta de meditar.

 

 

... não conseguir prever o tempo! Num momento estava sol, a seguir chovia. Tanto tínhamos que por o protetor solar, como 10 minutos depois tínhamos que vestir os impermeáveis. Ora víamos o horizonte azul do mar, ora apanhávamos uma parede cinzenta de nevoeiro, poucos metros à nossa frente. É um tempo esquizofrénico.
 
... ir aos banhos quentes da Poça da Dona Beija e aproveitar as últimas horas da nossa visita para relaxar nas águas quentinhas, que tão bem sabem.

DSC07441X

 
...tomar banho de água quente no mar, na Ferraria de S. João. Apesar de estar muita gente, como parece que está sempre, conseguimos ter uma experiência melhor do que a que tinhas tido na tua primeira visita. Desta vez sem água vivas e com água realmente quente.

IMG_8104X

 
...conseguires cumprir o objetivo de mergulhar numa praia vulcânica e eu tirar lá, em Mosteiros, uma das minhas fotos preferidas, quando entravas na água.
 

DSC08258X

 
...ver vacas. E mais vacas. E ainda mais vacas. Estão em todo o lado. São, juntamente com as hortênsias, um símbolo dos Açores. E pastam livremente. Depois, claro, o Bife à Alcides é uma maravilha. Carne sem stress!
 

 

... deixar algumas coisas por fazer, como, por exemplo, ir ao Parque Terra Nostra ou tentar ir ver golfinhos e baleias.
 
... ficar com algum receio que os Açores e os açoreanos mudem por causa da invasão de turistas que as low cost começam a levar para as ilhas.
 
... na despedida, ficar com muita vontade de voltar e ir conhecer as outras ilhas.
 

IMG_20160718_120011X

 

1 comentário

Comentar post